Para pensar...

Página Inicial
Gravidez
Porquê amamentar?
Recomendações OMS
A posição
Perguntas frequentes
Extrair e conservar o leite
Trabalhar e Amamentar
Direitos (legislação)
Dormir com o bebé
Pano porta-bebés
Testemunhos
Livros Recomendados
Hiperligações
Para pensar...
Quem somos

 

 

«Se fosse disponibilizada uma nova vacina 
que pudesse prevenir a morte de um milhão de crianças 
ou mais por ano e que, além disso, fosse barata, segura, 
de administração oral e não exigisse uma cadeia de frio, 
esta tornar-se-ia numa prioridade imediata para a saúde pública.
A amamentação pode fazer tudo isso e mais ainda, 
mas precisa da sua própria "cadeia quente" de apoios 
- ou seja, cuidados profissionalizados que permitam às mães 
ganhar confiança e lhes mostrem o que fazer e as protejam de más práticas.»

- Lancet 1994;344:1239-41

 

 

«Se desejamos alcançar uma paz real no mundo,
temos de começar pelas crianças.»
                                                   - Gandhi

 

«Enquanto as crianças ainda são pequenas,
ofereça-lhes raízes profundas;
quando crescerem, dê-lhes asas.»
                                            - Provérbio Indiano

«As crianças aprendem aquilo que vivem

Se uma criança vive na crítica,
aprende a condenar.

Se uma criança vive com maus tratos,
aprende a agredir.

Se uma criança vive humilhada,
aprende a sentir-se culpada.

Se uma criança vive na tolerância,
aprende a ser paciente.

Se uma criança vive no encorajamento,
aprende a ser confiante.

Se uma criança vive com o apreço dos outros,
aprende a valorizar.

Se uma criança vive no equilíbrio,
aprende a ser justa.

Se uma criança vive em segurança,
aprende a ter fé.

Se uma criança é bem aceite,
aprende a respeitar.

Se uma criança vive na amizade,
aprende a encontrar o amor no mundo.»

- Dorothy Law Nolte, em "As crianças aprendem o que vivem"

 

«Se você está preocupado pelo futuro dos seus filhos num mundo duro,
a melhor preparação que pode dar-lhes é a saúde psicológica,
que só se consegue se são tratados com amor, confiança e respeito.
Os meninos que se sentem confiados, orgulhosos e fortes
têm mais possibilidades de sobreviver
e mesmo de chegar a transformar a nossa sociedade opressiva
do que aqueles que têm sido feridos e humilhados mediante o uso de castigos.»

                                      - Aletha Solter em "Mi niño lo entiende todo"

 

«O nosso papel como pais não é adestrar os nossos filhos,
como se fossem animais de circo,
mas tratá-los com respeito e integridade,
para que se desenvolva a sua habilidade natural de pensar bem
e de serem eles os seus próprios guias.»

                                       - Aletha Solter em "Mi niño lo entiende todo"

 

 

«Uma infância feliz é um tesouro que dura para sempre,
que ninguém poderá nunca roubar.
A infância do seu filho está agora nas suas mãos.»

                                    - Carlos González, autor de "Mi niño no me come" e "Bésame mucho"

 

«Quando amamos alguma coisa, ela tem valor para nós,
e quando algo tem valor para nós gostamos de passar tempo a tê-lo connosco,
a apreciá-lo e a tratá-lo.
Observe-se um adolescente apaixonado pelo seu carro
e repare-se  no tempo que ele gasta a admira-lo,
a poli-lo, repará-lo e afiná-lo.
Ou uma pessoa mais velha com um roseiral amado,
e o tempo passado a podar, a adubar, a fertilizar e a estudá-lo.
Assim é quando amamos as crianças;
passamos tempo a admirá-las e a tratar delas.
Damos-lhes o nosso tempo.»

                            - Scott Peck em “O caminho menos percorrido”

 

«O facto de estarmos excessivamente ocupados com as tarefas do quotidiano,
com a roupa para lavar, com a casa para limpar, com a comida para fazer,
com todos os deveres que temos...
faz-nos por vezes esquecer a que ponto viver com os nossos filhos nos torna felizes.
Todos os pais o dizem, a infância passa depressa, demasiado depressa.
Não falhemos o nosso encontro com ela!
Será sempre possível arranjar a casa mais tarde, quando eles tiverem partido
e as nossas quatro paredes parecerem bem vazias, sem gritos e risos...»

- Isabelle Filliozat em "No coração das emoções das crianças"

 

«Ser pai ou mãe com sucesso implica um trabalho duro.
Cuidar de um bebé, ou de uma criança que começa a caminhar,
é um trabalho de 24 horas diárias, durante os sete dias da semana...
Actualmente, para as pessoas esta é uma verdade desagradável.
Dedicar tempo e atenção às crianças significa sacrificar outros interesses e actividades...
Diversos estudos indicam que os adolescentes e adultos jovens, saudáveis,
felizes e seguros de si mesmos são o produto de lares estáveis,
em que ambos os progenitores dedicam grande quantidade de tempo e atenção aos filhos...
Por razões políticas e económicas diversas a sociedade não proporciona aos pais esta possibilidade.»

                                - John Bowlby em "A Secure Base"
 

«Para corresponder às necessidades dos nossos filhos, temos que mudar.
Só quando nos dispomos a passar pelo sofrimento dessa mudança,
podemos tornar-nos os pais de que os nossos filhos precisam.
E como os filhos crescem constantemente e as suas necessidades vão mudando,
somos obrigados a mudar e a crescer com eles.
E, como em todas as outras circunstancias do amor,
seria incorrecto encarar o sofrimento e a mudança decorrentes do papel de pais
como uma espécie de sacrifício ou martírio;
pelo contrário, os pais têm mais  a ganhar com o processo do que os filhos.
Os pais que não estão dispostos a arriscar-se ao sofrimento de mudar,
desenvolver-se e aprender com os filhos, escolhem o caminho da senilidade
– quer o saibam, quer não – e os filhos e o mundo deixá-los-ão ficar bem para trás.
Aprender com os filhos é a melhor oportunidade que a maior parte das pessoas tem
de assegurar uma velhice bem vivida.»

                                - Scott Peck em “O caminho menos percorrido”

 

Os Filhos

Os vossos filhos não são vossos filhos.
São filhos e filhas da Vida que anseia por si mesma.
Eles vêm através de vós mas não de vós.
E embora estejam convosco não vos pertencem.
Podeis dar-lhes o vosso amor mas não os vossos pensamentos,
pois eles têm os seus próprios pensamentos.
Podeis abrigar os seus corpos mas não as suas almas.
Pois as suas almas vivem na casa do amanhã,
que não podereis visitar, nem em sonhos.
Podereis tentar ser como eles, mas não tenteis torná-los como vós.
Pois a vida não anda para trás nem se detém no ontem.
Vós sois os arcos de onde os vossos filhos,
quais flechas vivas, serão lançados.
O Arqueiro vê o sinal no caminho do infinito
e Ele com o Seu poder faz com que as Suas flechas partam rápidas e cheguem longe.
Que a vossa inflexão na mão do Arqueiro seja para a alegria;
Pois assim como Ele ama a flecha que voa,
Também ama o arco que se mantém estável.

 - Khalil Gibran em "O Profeta"

 

«Ser progenitor é uma ocupação a tempo inteiro,
que tem de ser assegurada durante as 24 horas do dia.
Alguns têm um intervalo de 8 ou 10 horas quando vão trabalhar,
mas quando regressam a casa reencontram a sua tarefa.
De qualquer maneira, é repousante ir para o escritório,
onde se é reconhecido, considerado,
onde se está entre adultos sem gritos, choros ou lutas...
Pode-se respirar um pouco.
As mães que ficam em casa não têm esse espaço para se evadirem e para se recarregarem.
Porque não há dúvida que o trabalho é frequentemente restaurador,
salvo se não for escolhido. No exercício da profissão sentimo-nos competentes, valorizados,
nem que seja graças às discussões com os colegas...
E mesmo quando o trabalho em si mesmo não é apaixonante,
não deixa de proporcionar ocasiões de trocas e de contactos com outras pessoas.»

- Isabelle Filliozat em "No coração das emoções das crianças"

 

«Cada uma de nós, mães, tem de aprender também a fazer de mãe de si própria,
senão não poderemos ser boas mães para os nossos filhos.
Sacrificar-se não é um caminho saudável para a maternidade,
apesar de termos sido ensinadas a fazê-lo durante anos
e tenhamos com frequência assistido ao martírio das nossas mães.
Fazer de mãe de nós próprias exige muita coragem
e insisto em que tente, pela sua saúde.»

- Christiane Northrup em "Corpo de Mulher, sabedoria de Mulher"

 

«Muitas mulheres não querem amamentar.
A única resposta que lhes oferecem é o biberão!
Sob a capa da liberdade e com a finalidade, em principio honrosa,
de "não culpabilizar as mães que não querem dar de mamar",
"respeita-se" a sua não-vontade com um zelo um pouco equívoco.
Nunca são verdadeiramente ouvidas nas suas dúvidas, nas suas angústias,
nas suas representações mentais inconscientes, nos seus fantasmas,
nunca se procura entender as suas motivações profundas...»

- Isabelle Filliozat em "A inteligência do coração"


 Início da página